domingo, 15 de novembro de 2015

Luana (Jogo de Letras)

Leve ar de primavera
Um encanto em aquarela
Alma doce só dela, que
Não cansa de encantar
A medida que revela

Vários encantos, tantos
Invísiveis aos olhos
Eminente à alma
Intrínseca calma
Repouso em sua voz,
Amorosa, carinhosa

Desse mundo atroz
Acho então, desse jeito

Seguirá sempre no peito
Imagem de afeto por você
Levarei, estou afeito
Você me cativou direito
Acho que nem sei porquê

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Talvezes

Se querer querer é querer
Talvez eu queira você
Como um barco à vela ao mar
Mais do que querer, precisar
Sou o heroi que você quer salvar
Talvez poder encontrar
O que não procurava, em mim
O que não se buscava, enfim

Se há algo que não sai de mim
É que seus beijos tenham gosto de pudim
Com seus lábios nunca carmim
Ouço a voz de um peralta querubim
E talvez esperança de mais
Mas só você não sabe a falta que faz
E se talvez já não te largo mais
É que talvez eu queira ser o seu rapaz

Sua voz de moleca amgora
Talvez em mim desejo aflora
Desejo que vem e demora
Talvez infinita aurora
Tornar-te algo tão meu
Algo que tão logo cresceu
Talvez você já percebeu
Que talvez esses versos são seus